Culto à lareira

Os povos proto-indo-europeus, dos quais os povos germânicos descendem, eram cultuadores do fogo. Aparentemente a maior parte dos cultos era desenvolvido em torno da lareira, do fogo que aquecia as pessoas e as mantinha unidas, numa época em que não haviam dezenas de distrações diversas.

O culto doméstico ou culto da lareira (hearth cult) era o culto privado, no qual a família cultuava unida os seus ancestrais, os vættir da casa e da terra, e os cōfgodas  ou deuses do lar. O Heathenry tribal pode ser definido como uma série de cultos, sendo que o culto da lareira é a forma mais básica dessa série.

Alguns podem argumentar que hoje em dia os tempos são outros e que não precisamos do fogo. Mas é certo que todos eles possuem ferro na estrutura de suas casas, em aparelhos eletrônicos e uma diversa quantidade de produtos processados através do fogo. Também é certo que ninguém nos dias atuais coma comida in natura e uma das marcas do homem civilizado seja o alto nível de processamento de comidas através do fogo. Além disso, nossos próprios corpos nunca pararam de emanar calor, e nós mesmos precisamos estar a uma certa temperatura, mantendo o fogo que há em nós vivo, ou nós mesmos morremos.

O culto da lareira é o culto da família, o culto da vida diária. É a ressacralização do espaço que foi nos tirado após a conversão, uma vez que o friþġeard era um elemento comum nos lares e dificílimo de ser substituído pelo monoteísmo, que requeria a ida aos seus templos.

O altar

O elemento básico no altar é certamente o fogo. Caso um altar não possa ser mantido, ao menos uma vela deve ser acesa durante os ritos em algum local especial da casa, e uma limpeza básica como lavar rosto e mãos purificando-se mentalmente antes do ato. Também são muito úteis um incenso e uma vasilha para se depositar ofertas.

Ancestrais

Fotos ou objetos que pertenceram aos ancestrais que se pretende honrar são muito úteis. As ofertas para os ancestrais geralmente incluem coisas que seriam do seu gosto em vida. Seu culto está intimamente ligado à abundância, prosperidade e fertilidade.

Vættir da casa

Geralmente ele é cultuado dentro do lar e ao redor do fogo também, como um espírito bem-vindo que guarda a casa. Através do folclore germânico, leite, mel, pão com manteiga são algumas das ofertas mais comuns. É bom arriscar e descobrir o que o espírito do lar de cada heathen particularmente prefere.

Vættir da terra

Estes são espíritos do útangarðr e a intenção é mais pacificá-los e mantê-los sem raiva do que propriamente trazê-los para dentro do lar — da mesma forma que não se traz estranhos para casa. São então geralmente cultuados em árvores, pedras, ou qualquer espaço fora do lar que possa parecer possuir grande poder. As ofertas aqui geralmente tem a ver com as preferências de alimento e bebida locais.

Cōfgodas 

Os cōfgodas  são os deuses específicos do lar de cada heathen e não precisam ser dezenas. É melhor construir uma boa relação com poucas divindades, entrando num ciclo de presentes e reciprocidade com elas, do que invocar todo o suposto panteão com dezenas de divindades dos germânicos. Uma estátua, imagens impressas ou símbolos relacionados à respectiva divindade são objetos interessantes. Geralmente deusas de aspecto materno são preferidas, bem como deuses de aspecto paterno. Eles configuram em geral o centro dos cōfgodas  e a eles se seguem dois ou mais deuses da preferência de cada família ou heathen em seu lar.

Ancestrais femininas

Elas estão ligadas à tessitura dos destinos dos membros vivos de sua família, bem como à sorte e a proteção daqueles que possuem seu sangue. Em todo o mundo germânico elas eram cultuadas amplamente, configurando a parte mais importante do culto local que temos notícia. Tratá-las respeitosamente e reconhecer sua relevância ajuda muito no desenvolvimento da vida do heathen, no dia a dia.

Sugestão de Rito

A ideia básica é separar uma parte do espaço e do tempo com uma frequência, como uma vez ou duas por semana, e invocar aqueles a quem se deseja presentear com alimentos e/ou bebida, chamando-o por seus títulos e então apresentando-se, e declarando a intenção do porque chamou (nem que seja um simples “vim te oferecer x oferta”). É aconselhável estabelecer uma relação, oferecer mais do que se pede. Não se trata de puro interesse; ajudamos quem nos ajuda, e o mesmo é com os deuses, ancestrais e vættir. Acenda o fogo do altar após a limpeza ritual, faça a oferta, o discurso, e ao sair apague a vela. Caso não possa manter um altar, descarte as ofertas na natureza (esteja certo de que não está fazendo ofertas que poluam o ambiente natural!) caso possa mantê-lo, deixe as ofertas ali por um período simbólico, como 24 horas, e então descarte.

Esteja certo de que o fogo do lar irá responder, quando honrado e lembrado de sua importância.